terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Seminário Avançado promovido pelo CELACC contou com a presença de Laymert Garcia dos Santos


No último sábado (11), o sociólogo e jornalista Laymert Garcia dos Santos participou de um seminário promovido pelo CELACC (Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação). O evento aconteceu no Auditório Freitas Nobre na ECA (Escola de Comunicação e Artes), foi mediado pelo prof. Dr. Silas Nogueira e contou com a participação de alunos da USP e de outras universidades
O conteúdo do seminário foi baseado nos temas apresentados durante o Fórum Internacional Geopolítica da Cultura e da Tecnologia, realizado entre 11 e 13 de novembro de 2010 na Cinemateca Brasileira, em São Paulo.
O conceito central do Fórum, que se refletiu no Seminário Avançado realizado pelo Celacc, é a possibilidade de o Brasil efetivar uma estratégia de autonomia relativa com relação ao centro hegemônico, por meio do reconhecimento da cultura do povo brasileiro e a consideração de seu potencial, que poderia ser resumido em sua diversidade e capacidade de transformar adversidade em positividade. Laymert salientou ainda que esse potencial encontrado na cultura é mais reconhecido pela mídia estrangeira do que pela nacional.
Segundo o professor, o povo brasileiro tem um enorme potencial cultural pela sua capacidade de criação mesmo com as dificuldades de acesso à informação e à cultura (cinema, teatro). No entanto, ao tratar da cultura indígena afirmou que há um processo de aculturação que o brasileiro apóia. “Populações estão desaparecendo na nossa frente, sem nos darmos conta da importância disso”, afirmou.
Laymert falou sobre suas experiências com comunidades indígenas e as dificuldades em se compreender a riqueza e a vivacidade da cultura das tribos, em especial suas relações com o próprio corpo e com a natureza, que de acordo com o professor se dão de formas muito mais sofisticadas e complexas que as relações do homem branco.
Para enfatizar o paradoxo cultural brasileiro, o professor ponderou sobre os estudos gregos sobre os mitos, na constante busca dos pesquisadores da Grécia em recuperar e valorizar o conhecimento ancestral. “Nós somos 230 povos míticos vivos e não fazemos nada, temos uma enorme riqueza e não a conhecemos”.
“O mundo todo está olhando para nós, o Brasil entrou para o mapa. Estamos no momento histórico de saber a que viemos, de valorização do potencial nacional”, com tal afirmação, o sociólogo evidenciou que apesar dos avanços nas relações diplomáticas do país, na exportação de arte e dos progressos nos estudos de biotecnologia que dependem em grande parte da diversidade em bens naturais presentes em terras brasileiras, não avançaremos nas relações com os países ricos e não construiremos nenhuma autonomia se não diminuirmos os níveis de exclusão atuais
O sociólogo, que já foi membro da diretoria da Bienal de Arte de São Paulo, tratou ainda da importância da pichação e de toda a concepção política desta arte que hoje é exportada do Brasil para boa parte do mundo, apesar de ser desvalorizada pelos próprios brasileiros. Afirmou também que as relações com a arte mudaram, que a Europa deixou de ser referência e que novas concepções nasceram com a globalização, como a criação coletiva da arte para além da compreensão de nacionalismo ratificada nos anos de 1950.
Laymert criticou a grande imprensa brasileira, em especial a cobertura caluniosa sobre as relações diplomáticas que o Brasil construiu nos últimos anos. “Nossa elite prefere ser subordinada”.
 Ainda afirmou que a mídia tem um enorme papel na consolidação da falsa democracia que vivemos no ocidente e que é necessário que compreendamos o poder e a capacidade da internet na reconstrução das relações na esfera pública, salientando o Wikileaks como instrumento de questionamento da circulação de informações no mundo.
O professor se mostrou a favor da criação de um bloco na América do Sul, que consiga conceber uma autonomia relativa para se proteger da hegemonia chinesa. “Estamos entrando na segunda globalização, onde as cartas estão sendo redistribuídas”
Finalizando o seminário, Laymert respondeu questionamentos do público sobre as relações entre os movimentos sociais e a cultura, debateu a desvalorização da cultura popular dentro das universidades e a falência da política neoliberal dos Estados Unidos.

(Colaboração: Bruna Lazarini)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Programação Consciência Negra 2010- Ribeirão Preto


18 DE NOVEMBRO DE 2010 (QUINTA-FEIRA):
19h30 – CURTA AFROOLHAR – Mostra de filmes curtas sobre a temática étnico-racial, seguido de debate. (Clube de Cinema Fora do Eixo)
Local: Centro Cultural Orùnmilá.


19 DE NOVEMBRO DE 2010 (SEXTA-FEIRA):
    19h30 – MESA REDONDA “CULTURA NEGRA – ANCESTRALIDADE E CONTEMPORANEIDADE
  • Religiosidade de Matriz Africana e Cultura Negra” - Elemoso Paulo César Pereira de Oliveira (Mestre Tolomi);
  • Cultura Negra e Educação Formal – Interfaces para a Implementação da Lei 10.639/03” - Professora Silvany Euclênio;
  • Capoeira – A Roda que Educa” - Contramestre Rasta (Edno Silva);
  • Cultura Negra e Comunicação” - Professor Silas Nogueira.
LOCAL: Centro Cultural Orùnmilá.

20 DE NOVEMBRO DE 2010 (SÁBADO)
16h às 22h - Mostra de Cultura Negra
Local: Rua Orùnmilá (em frente o Centro Cultural Orùnmilá);
CONVIDADOS JÁ CONFIRMADOS: Afoxé Omo Orùnmilá; Coletivo Família Pedra Negra; Bloco Chapeletas; Grupo Cativeiro de Capoeira; Escola de Samba Tradição do Ipiranga; Escola de Samba Bambas; Luizinho Castro; Márcio Bahia; Banda Magia Natural; MC's Indinho Psicodélico, Fran e Black Dread Look; DJ's Rogério Brito, Bolinha, Vanessa e Finim; Coletivo Enxame de Bauru; Massa Coletiva de São Carlos; Cia Ainda Sem Nome.

 DIA 21 DE NOVEMBRO DE 2010 (DOMINGO)
10h às 16h: EntrePontos – Encontro de Pontos de Cultura de Ribeirão Preto e Região (análise das atividades desenvolvidas em 2010, discussão das perspectivas para 2011).
Os Pontos de Cultura e Entidades interessados em participar, solicitamos a confirmação da presença até o dia 12 de novembro de 2010.
Local: Centro Cultural Orùnmilá.

MAIORES INFORMAÇÕES:
(16) 30214853

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

A comunicação e a valorização da cultura


A comunicação é um campo de tensões, assim como a cultura. Sobre ambos os termos existem inúmeras leituras e pesquisas, o que demonstra a relevância destas práticas para a compreensão da sociedade e também como elementos que carregam possibilidades de transformação social.
Inicialmente é imprescindível compreender a cultura e a comunicação de forma abrangente, como parte das relações sociais inseridas em um contexto histórico e que contém em si características específicas.
Cultura não como um lugar em que se produzem bens simbólicos, conceito difundido com a industrialização, em que há a concepção de bem cultural como mercadoria. O termo remete às relações sociais, às recriações, aos diálogos com outras manifestações e as possibilidades de expressão criadas por determinado povo.
As divisões entre o que é cultura popular, erudita, subalterna e tantas outras nomenclaturas reforçam a idéia de cultura como lugar específico, intocável e também reforçam a concepção da existência de uma determinada cultura superior a outras.
Não se trata de ignorar que a cultura é um campo construído na cotidianidade em que se revela a distribuição desigual de bens tanto simbólicos, quanto materiais, mas sim de compreendê-la, como um campo de lutas, de diálogos, adaptações e transformações.
O pesquisador argentino Nestor García Canclini define a cultura como um conjunto de processos material simbólicos, onde é possível compreender, reproduzir e transformar toda a estrutura social.
Não há homogeneidade cultural dentro das classes sociais, não há uma cultura popular pura e autônoma. Como bem afirma Maria Nazareth Ferreira, na cultura das classes subalternas convivem as raízes ancestrais, as influências das classes hegemônicas e as características de sua realidade social.
Para buscar as relações entre comunicação e cultura, torna-se necessário entender o conceito de hegemonia, que permite uma análise das relações políticas, sociais e culturais no campo da comunicação de maneira não determinista. O conceito desenvolvido por Antonio Gramsci coloca o caráter inseparável entre as dimensões sociais e culturais, compreendendo que é no campo da sociedade civil que a hegemonia é construída e mantida através das mais variadas relações de poder.
Dentre as ferramentas da manutenção do consenso estão os meios de comunicação que divulgam os discursos do poder e cada vez mais assumem outras funções, ganhando mais importância na sociedade contemporânea. De acordo com Marilena Chauí, uma das maneiras mais eficazes para a manutenção do poder é estabelecer uma unificação entre a realidade e as representações acerca delas. Há, portanto, um esforço por parte das elites para tratar as desigualdades como algo não conflituoso, para não conceder espaço para as manifestações da diferença e para as contradições sociais. Dessa forma, a desigualdade aparece como sinônimo de diversidade, como fator comum dentro da construção de uma suposta cidadania. Esta estrutura de relações complexas, em que a dominação permanece oculta e como algo instransponível, remete a toda a concepção histórica da Modernidade. A complexa construção dessa etapa histórica que chega aos nossos dias, tem início por volta de meados do século XVI e teve grande impulso com os ideais do Iluminismo. Posteriormente caminhou ao lado ou junto ao ideário que consolidaria a sociedade capitalista, como formação social e ao liberalismo como proposta política da crescente burguesia. Essas aproximações,  e até mesmo confusões, geraram formas regulatórias que fizeram com que os ideais de emancipação, herança do Iluminismo, se tornassem cada vez mais distantes, reforçados com uma sociedade que mais se caracteriza pela desigualdade, alienação e exploração do que pela liberdade, igualdade e fraternidade.
O conceito de cidadania que vai ganhando novas leituras, desde suas origens na Antiguidade Clássica, tem no sociólogo Thomas Marshall, uma de suas teorizações mais aceitas embora sua leitura também é passível de críticas e pode ser complementada dentro da própria concepção de que cidadania é um conceito e uma prática política em construção, que acompanha tanto peculiaridades de cada sociedade como os avanços históricos. Para Marshall a cidadania é colocada como a participação integral do individuo na comunidade política e o reconhecimento dos direitos e deveres dos cidadãos para com o Estado, em que cidadão seria aquele que detém os três direitos: civis (liberdade individual), políticos (participação política ampla) e sociais (bem estar).
Dentre estes direitos está embutido, ainda que tantas vezes passe desapercebido, o direito à comunicação. Direito este que não pode ser compreendido apenas como o acesso aos meios de comunicação, mas também, como direito a comunicar-se, direito de expressão de ideias, de construção de diálogos entre um grande número de pessoas. Isso implica também, na contemporaneidade,  o direito e a possibilidade de criar, gerir e ou administrar os chamados “meios de comunicação”, os mecanismo de comunicação coletiva, rádio, TVs, jornais, revistas, sítios eletrônicos.
O direito à comunicação é fomentador da cidadania. Os dois conceitos estão entrelaçados porque a comunicação, tanto individual como coletiva, quando exercida e  utilizada democraticamente, permite compreender os diferentes códigos, as diversidades de pensamento, enfim, a riqueza e a complexidade presentes na sociedade.
Ao observar os meios de comunicação na América Latina e sua profunda concentração nas mãos das classes hegemônicas, compreende-se como a concepção de Gramsci de inseparabilidade do mundo econômico e do mundo político é necessária não só para compreender a sociedade, mas para criar mecanismos de transformação.
Apesar da democratização da comunicação ser assunto debatido há décadas e estarmos distantes de sua consolidação, por inúmeras dificuldades, entre elas o fato do Estado não ver (ou não querer ver) a comunicação como algo tão importante quanto os outros direitos básicos, muitos países caminharam e conseguiram rever suas leis de radiodifusão como a Argentina, Venezuela, Uruguai e Equador.
Esses avanços, que são divulgados pela grande mídia brasileira como ataques à liberdade de imprensa, são na realidade passos concretos para a diversidade comunicacional, para o sentido coletivo e democrático de expressão.
Não há construção efetiva da cidadania cultural sem que as múltiplas vozes tenham direito de expressão. Ainda que pesquisas comprovem que haja espaço, mesmo que limitado, para os interesses das classes sociais subalternas na grande mídia, os dados somente comprovam a teoria gramsciana, de que as classes hegemônicas reafirmam a ideologia de uma sociedade democrática também através de pequenos espaços de concessão aos interesses das classes subalternas.
Uma revisão da história da imprensa, ou da mídia em um conceito ampliado, permite perceber que a sociedade sempre buscou novas formas de se comunicar, de construir meios alternativos de comunicação. Esta busca assume hoje novos espaços, novas linguagens e novos meios com a Internet e apesar das ainda visíveis dificuldades de acesso à rede, são espaços que não podem ser ignorados nesta caminhada pela democratização, porque são instrumentos políticos que  podem ser apropriados pelas minorias. Minorias aqui compreendidas a partir de Muniz Sodré, para quem minoria é um lugar de transformações das identidades e das relações de poder.
O ideal de democratização dos meios de comunicação massiva passa por uma revisão do próprio conceito de comunicação, que não pode mais ser compreendida verticalmente. As próprias universidades de comunicação dificultam o processo de democratização, por não conceberem a comunicação como instrumento político de transformação social. Em sua grande maioria, os cursos de comunicação apresentam espaços limitados para reflexão e, em função disso, revelam profissionais da área que não conseguem analisar a realidade e, como se sabe, sem a crítica não há transformação.
A comunicação, portanto, não só dialoga mas é algo indissociável da cidadania e da cultura, mas para que este diálogo e esta relação sejam efetivamente democráticos é necessário rever as características das relações políticas e sociais e compreender que toda prática relacionada ao universo que compreende a cultura e a comunicação tem um caráter político, no amplo sentido, que pode ser transformador.

(colaboração: prof. Silas Nogueira)

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Uma outra comunicação é possível?


A comunicação como a entendemos hoje, relacionada aos meios de comunicação, nasce com os ideais da Idade Moderna, que se diferencia da Idade Média essencialmente pela concepção de sujeito autônomo, impulsionada pelos ideais iluministas. Portanto, a comunicação estava vinculada ao ideal revolucionário de ampliação da esfera pública, compreendendo esfera pública como a dimensão da vida social em que as pessoas podem manifestar suas ideias livremente.
Emerge então na sociedade moderna a demanda pela informação, pela ampliação do debate público. Partindo desses pressupostos, podemos considerar que a história do jornalismo acompanha a história da sociedade moderna. Ciro Marcondes Filho (2000) chama a primeira fase do jornalismo de jornalismo de Ilustração, trata-se de publicações que defendiam causas políticas específicas. A segunda fase pode ser chamada de jornalismo mercantil, que passa a vender informação e a tentar diferenciar informação de opinião.
Com a venda de informações o jornalismo caminhou para a criação e ampliação de empresas de comunicação e o fortalecimento dessas empresas juntamente com o desenvolvimento de tecnologias da informação, remete ao que poderíamos chamar hoje de jornalismo tecnológico, que busca ser multilinguagem e é marcado pelo monopólio das empresas transnacionais.
Analisar esse percurso passa inevitavelmente pelas tentativas de compreensão da sociedade moderna como um todo. Octavio Ianni (2000) coloca que, na modernidade conceitos clássicos como cidadania, ideologia e sociedade são compreendidos como consumo, mercadoria e mercado e são estes últimos os crivos do que é disseminado pelos grandes meios de comunicação.
Quando falamos em jornalismo tecnológico, estamos tratando de uma nova esfera representativa que está se construindo com o avanço surpreendente das novas tecnologias. Esta nova perspectiva afeta todas as relações e cria novas formas de compreensão da realidade e das representações. Muniz Sodré (2002) desenvolveu o conceito de bios midiático em que, revisitando as instâncias da vida colocadas por Aristóteles, afirma que há um novo espaço de existência contemporâneo, que possui valores técnicos, sociais e burocráticos próprios e que tem como uma de suas características a supervalorização da imagem, fortalecendo os simulacros e criando uma outra esfera pública com ideais diferentes daqueles colocados por Habermas (1984), que intensifica a falsa sensação de democratização do poder e da informação.
De maneira paralela e concomitante, nascem formas de comunicação independentes aos poderes instituídos, é o que John Downing (2002) chama de mídia radical alternativa, que tem como seus argumentos centrais a pluralidade das culturas populares e o diálogo constante entre as culturas de oposição, culturas de massa e culturas populares.
Na busca de um conceito de cultura popular, Downing (2002) problematiza alguns teóricos como Theodor Adorno e Max Horkeimer, autores da Escola de Frankfurt. Adorno, ao rever o conceito de cultura de massa produzida dentro da lógica industrial, desenvolve o conceito de indústria cultural. Downing coloca que a indústria cultural impede a criatividade e limita a construção simbólica para além das classes dominantes.
Ao observamos a abordagem sócio histórica de cultura popular colocada pelos teóricos dos Estudos Culturais (Escola de Birmingham), constata-se que, na busca por trabalhar os conceitos de maneira dialética, que em Stuart Hall (2003) estão inseridos em uma perspectiva diaspórica (compreende as hibridizações inevitáveis entre as culturas, especialmente diante dos processos de deslocamentos marcados pelas migrações e imigrações), há uma superação de conceitos enrijecidos de cultura popular, que a vinculam a uma tradição folclorista, não engajada e limitada dentro de um espaço de tempo e território.
Para Downing (2002), toda forma de mídia influencia de alguma maneira o movimento das sociedades, portanto, o estudo contextualizado da comunicação não pode ignorar as manifestações que não estão vinculadas à grande mídia. Ainda de acordo com o autor, as manifestações artísticas como danças, anedotas, teatro, gravuras, filmes, tatuagens, murais e grafite podem ser compreendidas como mídia radical tanto quanto o uso de meios mais tradicionais de comunicação como os jornais, emissoras de rádio e televisão e a internet.
O cenário da comunicação brasileira se demonstra cada vez mais perverso, marcado por monopólios, pelo não respeito aos artigos da Constituição, por guerras claras de poder e pelo uso indevido das informações, em um processo que mais confunde do que esclarece a população.
A concepção de uma mídia para além dos grandes grupos transnacionais de comunicação, independentemente de ser chamada alternativa, radical, subalterna, contra-hegemônica ou popular, se caracteriza essencialmente pela crítica e pela manifestação da diversidade e é necessária para a construção de uma sociedade que saiba lidar melhor com a pluralidade de culturas.
Dentre os exemplos de mídia alternativa no país, podemos destacar o jornal “Brasil de Fato”, que foi lançado no Fórum Social Mundial de Porto Alegre e há oito anos circula semanalmente com distribuição nacional. O jornal mantém também um website:  http://www.brasildefato.com.br/ , que foi atualizado no segundo semestre de 2010.
A internet tem sido muito utilizada pelos movimentos sociais e pelos meios de comunicação alternativa que já existiam em plataformas tradicionais como uma ferramenta de divulgação e de troca de informações que vão além das pautas da grande mídia. Reunindo várias linguagens, o novo site do jornal Brasil de Fato, traz além das principais notícias veiculadas no jornal impresso, textos de articulistas, vídeos, charges e podcasts do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC).
Outra possibilidade de uso da internet são as rádios comunitárias, que possibilitam que emissoras de comunidades como a da favela de Santa Marta (www.radiosantamarta.com.br) e de Heliópolis (www.heliopolisfm.com.br) sejam ouvidas pelo mundo inteiro. Além do áudio no site da rádio Santa Marta é possível acompanhar também em vídeo o trabalho da comunidade.
A possibilidade da convergência de diversas linguagens na internet permite a ampliação dos espaços da mídia alternativa e a criação de redes de trocas de informação para além das pautas da grande mídia.

Bibliografia:
MARCONDES FILHO, Ciro. A Saga dos Cães Perdidos.São Paulo: Hacker editores, 2002
HABERMAS,Jurgen. Mudança Estrutural da Esfera Pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984
IANNI, Octavio. Enigmas da Modernidade Mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000
SODRÉ, Muniz. Antropológica do Espelho. Petrópolis: Vozes, 2002
DOWNING, John. Mídia Radical. São Paulo : editora SENAC, 2002
ADORNO, T e HORKHEIMER. M. Indústria Cultural – o esclarecimento como mistificação das massas. In: Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.
HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

2o. Turno

domingo, 26 de setembro de 2010

Todo poder tem limite ???

Surpresa (talvez esperada) hoje pela manhã um editorial enorme na capa do jornal “Folha de São Paulo” , texto inflamado afirmando que há um interesse do governo Lula e possivelmente do próximo governo em cercear a liberdade de imprensa. A capa da revista “Veja” não poderia ser diferente, uma estrela vermelha, um trecho do capítulo sobre a Comunicação Social da Constituição Federal e a chamada: “ A Liberdade Sob Ataque”.
As críticas de Lula à grande imprensa chegaram tarde demais, um governo que teve como ministro das comunicações Hélio Costa, um homem historicamente vinculado aos grandes grupos de comunicação do país, que implantou um modelo de TV Digital que não colabora com a qualidade do conteúdo da programação, que não propôs revisões do papel da ANATEL e até mesmo fortaleceu a violência contra os movimentos das rádios livres e comunitárias. Um governo que só fez uma Conferência Nacional de Comunicação, que resultou na criação de uma lista enorme de propostas, sem nenhuma previsão de serem efetivadas. Que teve como maior bandeira a implantação dos telecentros e da banda larga, sem entender que mídia livre não é sinônimo de mídia digital, que o problema da comunicação no país é muito mais profundo que o acesso à internet.
Parece clichê falar nos monopólios e oligopólios evidentes na comunicação deste país, mas talvez valha a pena refletir que temos sete famílias cuidando de 90% dos meios de comunicação, que não há possibilidade de aplicação do artigo da Comunicação Social porque não existem formas legais de controle do respeito à lei, que as leis de radiodifusão comunitária são limitantes, que as leis para regionalizar a programação estão tramitando no Congresso há mais de 10 anos e nunca são aprovadas, entre outros inúmeros fatores problemáticos.
Quando Lula se coloca contra à ação da grande imprensa ele reafirma que seu governo não tomou nenhuma decisão efetiva pela democratização da comunicação. A resposta da grande mídia reafirma que estamos sobre uma ditadura, a ditadura das grandes empresas de comunicação, que se sentiram contrariadas, que se eximem da responsabilidade pelo que expressam em um país que não compreende que a comunicação é um direito.
O que há de mais surpreendente no dia de hoje talvez seja “O Estado de São Paulo” ter colocado seu apoio à candidatura de José Serra, afirmado que não preza e nunca prezou pelo equilíbrio ou pela tentativa de imparcialidade jornalística.
Toda a movimentação da mídia às vésperas da eleição é esperada, estamos em uma semana de grandes decisões, o que não pode continuar sendo comum é o silêncio, a aceitação de uma mídia que não tem nenhum respeito pela diversidade e pela pluralidade, uma mídia que não se propõe a enriquecer o debate público.
Independentemente de quem ganhe as eleições, as discussões de hoje devem abrir os olhos para a realidade problemática da comunicação no Brasil.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

10a Feira Nacional do Livro de Ribeirão acontece entre 10 e 20 de junho


A 10a Feira Nacional do Livro, a segunda maior a céu aberto do Brasil, chega a sua edição de aniversário com uma programação rica em novidades, com grandes nomes de cenário cultural efervescendo a cidade com atrações gratuitas durante 11 dias consecutivos.
A Feira, que cresce a cada ano, além dos 16 mil metros quadrados das praças Carlos Gomes e XV de Novembro, ocupará outros espaços como os Estúdios Kaiser de Cinema, a biblioteca Padre Euclides, o Theatro Pedro II, o Teatro Auxiliadora, Centro Cultural Palace, Pingüim Cultural e os shoppings. Um dos maiores objetivos da organização é que o evento seja itinerante, promovendo cultura gratuita em diferentes espaços da cidade.
As principais novidades de 2010 são o Projeto Corredor Literário, em que autores convidados participarão de bate-papo nos shoppings; a Aldeia Cultural, que convidará artistas a lerem obras de autores locais no Theatro Pedro II; a Vila do Livro e a Casa do Menino Maluquinho, especialmente criados para as crianças.
Além disso, adolescentes poderão participar de um amplo projeto de inclusão social, com atividades lúdicas para inserir esse público na leitura, nas artes e no cinema, que acontecerá nos Estúdios Kaiser de Cinema.  
Projetos já consolidados como a exibição de filmes no Cinema Cultural e os contadores de histórias da Arena Cultural, ganharão novos espaços.
Dentre os 66 livreiros de todo o país o evento contará com as editoras universitárias que ocuparão a rua Visconde de Inhaúma e trarão lançamentos e livros especialmente para a Feira. 
Este ano, mais de 80 autores participarão de Cafés Filosóficos e Salões de Ideias, além de 25 shows como o melhor da música brasileira.
Os homenageados desta edição serão Espanha, Acre, Gilberto Freyre, Ziraldo e Nádia Gotlib.  A patronesse é a empresária Marylene Baracchini.
Os autores já confirmados são: Adriana Lisboa,Alessander Guerra,Ana Paula Maia,Augusto Cury,Carlos Heitor Cony,Carola Saavedra,Celso Antunes,Claúdia Tajes,Clovis Bulcão,Cristina Silveira,Cristovão Tezza,Daniel Galera,Daniel Pelizari,Fabrício Carpinejar,Fabrício Corsaletti,Gabriel Chalita,Guilherme Davoli,Heloisa Bacellar,Ignácio de Loyola Brandão,João Silverio Trevisan,Laurentino Gomes,Lola Aybar,Luiz Tatit, Marcia Bulcão,Márcia Tiburi,Maria Gessy de Sales,Marina Colassanti,Mário Prata,Mário Sergio Cortela,Moacyr Scliar,Mouzar Benedito,Nelson Schapochnik,Nicole Algranti,Palmério Doria, Paulo Markum,Pedro Bandeira,Rainhas do Lar com Katita e Faby,Raphael Coutinho,Ricardo Daunt,Ricardo Kotscho,Rubem Alves,Saulo Gomes,Tatiana Levy,Thalita Rebouças,Tony Bellotto,Xico Sá e Zuenir Ventura.
Dentre os shows estão grandes nomes como Clube da Esquina, Pedro Luis e a Parede, Roberta Sá, Tom Zé, João Donato e Emilio Santiago, Martinho da Vila, Maria Gadu, Zélia Duncan, Nana Caymmi e Erasmo Carlos.
Programação completa no site: www.feiradolivroribeirao.com.br

terça-feira, 16 de março de 2010

Luiz Tatit, o mestre do canto falado

Capitu
A ressaca dos mares
A sereia do sul
Captando os olhares
Nosso totem tabu
A mulher em milhares
Capitu

(“Capitu” - Luiz Tatit)


É assim reunindo poesia, música e literatura que Luiz Tatit encanta ouvidos e almas. O músico, reconhecido também por suas pesquisas acadêmicas acaba de lançar a obra “Semiótica à Luz de Guimarães Rosa” (Ateliê Editorial), em que revê conceitos essenciais da semiótica a partir de contos que compõem o livro “Primeiras Histórias” e está trabalhando no lançamento oficial do Cd “Sem Destino” produzido junto com a amiga inseparável, Ná Ozzetti.
A música adentrou a vida de Tatit graças ao seu avô que o presenteou com um rádio de pilha quando ele tinha 10 anos e um violão aos 12. Da infância até hoje a música tem sido sua companheira, nas composições, gravações e na produção de livros e ensaios sobre a poesia e a música brasileira, muitos deles publicados em espanhol, francês e inglês.
Tatit busca conciliar a vida acadêmica com a de músico, atuando como professor no Departamento de Lingüística da USP (Universidade de São Paulo), a união entre as duas atividades fazem parte de sua história. “Quando resolvi tomar a canção como objeto de estudo nas pesquisas que resultaram em dissertação de mestrado e tese de doutorado nos anos 80, pode-se dizer que minhas duas atividades [música e vida acadêmica] começaram a se conciliar, passei a lidar com música paralelamente a meus compromissos acadêmicos. A pesquisa e a prática de composição são fundamentais para a minha vida”, salienta.
Se você tem filhos pequenos, já ouviu alguma das composições de Tatit na voz da dupla “Palavra Cantada”, formada pelo seu irmão Paulo Tatit e pela cantora Sandra Peres. “Fiz dezenas de letras para a dupla e, até hoje, volta e meia, eles me mandam melodias para letrar. É sempre assim, eles têm uma melodia, já arranjada, e eu componho a letra, às vezes com tema predeterminado, às vezes com tema livre”, explica.
Suas composições que já ultrapassam 40 foram gravadas por muitos nomes da música brasileira como Leila Pinheiro, Zélia Duncan, Ney Matogrosso e José Miguel Wisnik. Com Wisnik, Tatit tem uma composição muito interessante, chamada “Mestres cantores”, que fala da experiência dos dois que reúnem a vida acadêmica ao universo musical.
Tatit foi também um dos criadores do grupo Rumo da década de 70, que tem como um de seus objetivos resgatar as entonações da fala cotidiana nas composições, característica que é marcante na obra do músico.
Para conhecer a obra musical de Tatit, escute o CD “Rodopio”, que tem muitas participações especiais como a voz de Ceumar e de Suzana Salles. A produção traz uma mistura perfeita entre a inocência das letras e a maturidade das composições.